Entrevista Conclusão




descargar 468.36 Kb.
títuloEntrevista Conclusão
página6/7
fecha de publicación27.10.2015
tamaño468.36 Kb.
tipoEntrevista
b.se-todo.com > Derecho > Entrevista
1   2   3   4   5   6   7

Alheamento:


O Alheamento vem da necessidade de organizar as idéias, refletir sobre suas experiências, seus pensamentos e sentimentos. Através deles conseguimos planejar, tomar decisões e mergulhar em fantasias.

Isto é considerado saudável. Porém, quando essa forma de estruturação de tempo predomina na vida de um indivíduo, torna-se não OK, pois isso provocará falta de carícia.


    • Ritual:


O Ritual é uma Estrutura de tempo programada pelo Estado do ego Pai, tem um início, um desenvolvimento e um fim previsível, assim obtendo uma troca de reconhecimento.

É uma Estrutura de tempo sem espontaneidade e autenticidade, submetendo-se apenas a obediência e as normas sociais vigentes.

Quando o indivíduo estrutura o seu tempo preponderantemente através de rituais, como por exemplo, formaturas, recepções, reuniões formais, casamentos, enterros, missas, etc., tende a sentir-se só, pois os rituais fornecem carícias de pouca potência ou de manutenção em função do relacionamento superficial que é mantido nesse caso.


    • Passatempo:


O Passatempo é uma forma de Estrutura de tempo, que utiliza as Transações Cruzadas nas comunicações. Os assuntos são temas inofensivos como tempo, moda, inflação, problemas urbanos, entre outros.

Através deles podemos selecionar os parceiros com os quais nos relacionaremos.


    • Atividade:


A Atividade corresponde ao fazer alguma coisa ou um trabalho como: tomar banho, trabalhar, montar um projeto, fazer uma prova, executar alguma tarefa. Ela permite o uso do tempo, lidando com a realidade exterior.

Você estrutura a Atividade com outra Estrutura de tempo como: Jogos, Rituais, Passatempos, Isolamento e Intimidade. Elas são ótimas fontes de carícias positivas ou negativas. Geralmente envolve carícias condicionais.


    • Jogos Psicológicos:


Os Jogos Psicológicos buscam a fuga da monotonia dos passatempos, mas sem se expor aos riscos propiciados pela intimidade. A maioria das pessoas adere aos Jogos como sendo uma forma segura de Estruturar de tempo.

Geralmente as carícias propiciadas pelos Jogos Psicológicos são de baixa qualidade por serem negativas.


    • Intimidade:


É a forma positiva de trocar carícias, sendo o nível mais profundo de relacionamento entre os indivíduos e na maioria das vezes envolve muitas carícias incondicionais positivas.

A Intimidade é a capacidade do indivíduo exercer plena consciência, espontaneidade e Intimidade. É a Estrutura de tempo com relacionamentos sinceros e sem jogos.


  • Como funciona

    • Carícias




A Carícia é o reconhecimento que uma pessoa dá à outra. As Carícias são essenciais à vida de uma pessoa. Sem elas, dizia Berne, "a espinha dorsal secará".

Foi demonstrado que recém-nascidos necessitam Carícias físicas reais a fim de sobreviver. Os adultos podem arranjar-se com menos Carícias físicas, pois aprendem a trocar Carícias verbais: Carícias positivas, como elogios ou expressões de apreciação ou Carícias negativas, como julgamentos negativos ou depreciações.

Assim, a troca de Carícias é uma das coisas mais importantes que as pessoas podem fazer em suas vidas. A partir do conceito de Carícias podemos entender porque determinadas pessoas, por exemplo, estão sempre entrando em situações desagradáveis.

Por tratar-se de uma fome básica do ser humano, todos nós necessitamos de Carícias. O grande problema é como buscamos as Carícias que necessitamos em nosso dia a dia.
A economia de Carícias:
Um dos aspectos danosos do Pai Crítico é que ele possui uma série de regras que governam a troca de carícias (Não dê, Não peça, Não aceite, Não dê a si mesmo). O efeito deste conjunto de normas, chamado "Economia de Carícias" é que as pessoas se impedem de trocar Carícias livremente e cuidar de suas necessidades de Carícias.

Conseqüentemente, muitos seres humanos vivem num estado de fome de Carícias e sobrevivem com uma dieta deficiente de Carícias, "de um modo semelhante às pessoas que sofrem privação de comida" e depende uma grande parte de seu tempo e de seus esforços, tentando satisfazer sua fome.

As Carícias positivas, também chamadas "carinhos quentes", como por exemplo, apertar as mãos ou dizer "eu te amo", provocam na pessoa que as recebe um sentimento de "estar OK". Também existem as Carícias negativas, que são as formas dolorosas de reconhecimento, como o sarcasmo, o desprezo, um tapa, um insulto ou dizer "eu odeio você". As Carícias negativas fazem as pessoas que as recebem sentirem-se não OK.

Ainda que sejam desagradáveis, as Carícias negativas são uma forma de reconhecimento e evitam que a "espinha dorsal seque". Por este motivo, as pessoas preferem uma situação onde recebam Carícias negativas, a uma situação de ausência de Carícias. Isto explica por quê as pessoas parecem magoar-se intencionalmente em seus relacionamentos. Não é porque "apreciem magoar-se" mas, ao não obterem reconhecimento positivo, escolhem as Carícias negativas dolorosas a não terem nenhuma carícia.

As pessoas podem aprender a trocar Carícias livremente, a abrir seus corações, a pedir e dar Carícias sem vergonha ou constrangimento. Diferentes Carícias atraem diferentes pessoas e cada um tem seus desejos especiais, secretos.

Há diversos tipos de Carícias positivas: as Carícias físicas e as verbais. As Carícias físicas podem ser abraços, beijos, segurar a mão, carinhos fortes ou leves, sexuais, sensuais ou só amigáveis, protetores ou levemente sedutores, etc. As Carícias verbais podem ser dadas com relação à aparência de alguém: seu rosto, corpo, postura ou movimentos; ou a respeito da personalidade de uma pessoa: sua inteligência, natureza amorosa, sensibilidade ou coragem.

De qualquer forma, as pessoas necessitam e merecem Carícias e se as pedirem, freqüentemente encontrarão outras pessoas que possuem exatamente as Carícias que elas necessitam e estão dispostas a oferecê-las.


  • Como funciona

    • Emoções




Emoções Autênticas x Falsas Emoções
As Falsas Emoções são os sentimentos favoritos aprendidos na infância, segundo Eric Berne. Esses sentimentos são aprendidos através dos pais e se transforma num reflexo condicionado que poderá persistir na vida.

Na infância ao mostrar as Emoções Autênticas, estas são às vezes desqualificadas ou censuradas assim as crianças aprendem a mascará-las. A criança então passa a utilizar esses sentimentos na maioria das situações, seja apropriado ou não.

Os disfarces têm três origens diferentes:


    • Impotência: Está ligada à incapacidade da criança de satisfazer as suas próprias necessidades;

    • Frustração: Está ligada à frustração sofrida pela criança na tentativa de satisfazer suas necessidades;

    • Impotência e Frustração: Ligada à combinação das duas anteriores.


Os disfarces que tem origem da impotência são do tipo depressivo e envolve sentimentos de tristeza, apatia e inadequação. Os disfarces que tem origem da frustração são do tipo ressentimento e envolve sentimentos de raiva, medo e culpa. E os que têm origem da impotência e da frustração são do tipo confusão.


  • Como funciona

    • Posição existencial





No processo de desenvolver uma identidade, as pessoas definem para si mesmas, cedo na vida, qual o significado de sua existência. Algumas pessoas decidem que são OK e que terão uma boa vida, mas muitas outras decidem que não são OK e que fracassarão de alguma forma.

Esta expectativa, baseada numa decisão de como será a vida, é sua posição existencial. As pessoas podem sentir-se OK ou não OK sobre si mesmas e sobre os outros, de modo que há quatro posições existenciais:


    • "Eu estou OK/ Você está OK":


Está posição é assumida quando a pessoa tem o seu Adulto totalmente no controle. Ninguém chega nessa posição se não fizer uma opção consciente.

Porém parece existir um problema em sugerir que as pessoas podem estar OK praticamente o tempo todo, como se o estado de “bem estar” pudesse ser atingido e mantido constantemente.


    • "Eu estou OK/ Você não está OK":


Nessa posição encontra-se uma criança que por volta dos dez meses a um ano de idade, não apenas é abandonada ou marginalizada, mas é objeto de sevícias ou brutalidade. É uma criança perseguida com medo de adultos. Isso desenvolve uma atitude de que “eles não são OK”, e cria um mecanismo de compensação, para as punições que são impostas em sua vida, dizendo-se estar OK.

Acredita sempre que “o mundo é culpado dos seus problemas”. Esse é o comportamento de delinqüentes, criminosos, contestadores, etc.


    • "Eu não estou OK/ Você está OK":


Origina-se da falta de independência da criança, que não tem condições de viver sozinha. A partir desse ponto como se sentir não OK e depender dos pais que são OK.


    • "Eu não estou OK/ Você não está OK":


Acontece quando os pais deixam as crianças serem educadas por estranhos. Isso causa uma sensação que a criança não é OK, porém os pais também não são OK, por abandona-la.


  • Como funciona

    • Jogos psicológicos





O aspecto fundamental dos Jogos é que eles são trocas desonestas e dissimuladas de carícias, que embora praticados de forma inconscientes ou  pré-conscientes reforçam os Scripts da Vida. Um Jogo é uma série repetitiva de transações ulteriores, com um começo, meio, fim e Benefício Final. O Benefício Final é uma vantagem oculta que motiva o jogador a participar do jogo.

A Análise Transacional tornou-se um modismo nacional, nos anos 60, devido ao sucesso do livro de Eric Berne "Os jogos da Vida", que se tornou um best-seller. Nesse livro, ele designou nomes atraentes (“Agora te peguei", "Chute-me", "Só estou tentando te ajudar") para diferentes jogos.
Há três diferentes níveis de Benefícios Finais dos jogos:


    • Os Benefícios Finais biológicos dos jogos são as carícias. Mesmo que os jogos terminem sempre mal, todos os jogadores conseguem uma quantidade razoável de carícias, tanto positivas quanto negativas, além do benefício de jogá-los.

    • O Benefício Final social de um jogo é a estruturação do tempo. As pessoas são capazes de preencher o tempo que, de outra forma, poderia ser enfadonho e depressivo, com uma atividade excitante.

    • O Benefício Final existencial de um jogo é a maneira como o jogo confirma a posição existencial de cada jogador.



  • Como funciona

    • Script da vida





Pode ser chamado também de Argumento da Vida. Script é um plano inconsciente de vida ou ainda um programa em marcha, que o indivíduo desenvolve na primeira infância sob influência parental e que irá dirigir a sua conduta nos aspectos mais importantes de sua vida.

As mensagens parentais, chamadas mandatos, são enviadas pelos pais, normalmente, de forma não verbal e recebidas como ordens pelos filhos, que freqüentemente decidem obedecer por não possuírem outras informações. Existem muitos mandatos, dentre eles: "não viva", "não sinta", "não pense", "não cresça", "não seja você mesmo", "não faça", "não consiga" ("fracasse"), etc.

Lembrando que os mandatos agem por toda uma vida sem que o indivíduo tenha consciência da existência dos mesmos. Os pais ou substitutos, por sua vez, também não têm consciência que estão transmitindo tais mensagens. Portanto, tudo fica perfeitamente "camuflado". Às vezes alguns indivíduos apenas suspeitam que existe "algo errado" em sua vida, mas fica por isso mesmo.

São sete os elementos do aparelho do Script:


    • Benefício Final:


São as ordens que os pais dão a seu filho de como deve terminar sua vida. As maldições mais freqüentes são: ser um solitário; ser um inútil; tornar-se um louco; cair morto, etc.

A maldição do Script decretada pelos pais, não tem efeito se não aceita pela criança.


    • Mandatos:


Para que fique solidamente fechado na mente da criança, deve repetir-se com freqüência e as transgressões devem ser castigadas. Às vezes uma só experiência transtornante pode gravar um Mandato por toda uma vida.

O Mandato é a parte mais importante do Script e varia de intensidade. Os de 1° grau (socialmente aceitos), são diretrizes reforçadas pela aprovação ou dissuasão. Os de 2° grau (indiretos e duros) são diretrizes de má índole, reforçadas maliciosamente por uma espécie de extorsão de sorrisos sedutores e cenhos ameaçadores.


    • Provocação:


Estimula a conduta que levará ao Benefício Final. Logo passa a fazer troça e zombaria mais específicas.

São como uma voz que diz a criança no momento crítico: "Vamos pequeno, que tens a perder?". O "demônio" do Pai incitando o "demônio" da Criança.

A Provocação é que promove as fixações nas crianças e começa desde cedo. A Provocação surge sempre que a pessoa tem que se enfrentar com situações que lhe sejam proibidas. Por exemplo, no momento em que está tendo sucesso, caso tenha um mandato que lhe proíba ser bem sucedido nas coisas que faz, sentir-se-á mal pelo fato de não estar obedecendo a ordem parental de fracasso.


    • Mensagens do Contra-Script:


O Pai dos pais está programado biologicamente e até certo ponto, é naturalmente nutritivo e protetor. Tanto o pai como a mãe, sejam quais forem os seus problemas internos, fundamentalmente querem o bem estar do filho.

Podem existir contradições entre os contra-mandatos e os mandatos por virem de Estados do ego diferentes, e, estas contradições podem ser: internas (quando existe numa mesma figura parental) e externas (quando existe em duas figuras parentais).

O Contra-Script determina o estilo de vida da pessoa e os mandatos de Script seu destino último.


    • Programa:


Consiste na modelagem de como fazer as coisas. O primeiro aprendizado é através da imitação e depois através de instruções orais, assim a criança aprende como praticar os mandatos. O modelo, de regra geral, vem da figura parental do mesmo sexo.


    • Impulsor:


Oprime a Criança e a impulsiona para fazer coisas que aparentemente são contraditórias ao mecanismo de Script, porém, na realidade com freqüência o reforçam.

Surge pela primeira vez quando a criança joga a comida ao solo com um alegre brilho nos olhos, esperando para ver o que os pais farão.
Por melhores que sejam os planos que uma pessoa faça, o demônio pode vir num momento crítico e desfazê-los.


    • Anti-Script:


O Anti-Script é o elemento que elimina o mandato e libera a pessoa de seu Script para que possa satisfazer suas próprias aspirações autônomas. Em alguns Scripts é óbvio, em outros é preciso buscar ou decifrar.


  • Como funciona

    • Dinâmica de grupo





De acordo com Eric Berne, "é qualquer agregação social com um limite externo e pelo menos um limite interno". Eric Berne desenvolveu a sua própria teoria de grupo, tanto para área clínica como para a área organizacional.

Imago grupal é a captação do grupo segundo cada indivíduo. É baseado no princípio da diferenciação com o objetivo de classificar as relações mais importantes que se ocultam por trás das relações formais do grupo. A analogia que cada indivíduo faz do grupo familiar com a imagem do grupo está relacionada com processo de transferência, daí a expectativa de que o líder se comporte da mesma forma que o seu objeto internalizado.

Há dois tipos de imagem de grupo: a imago provisória e a imago verdadeira.
A imago provisória é a imagem mental que se tem antes da formação de um grupo, ou antes, de ingressar nele. A imago verdadeira é a imagem mental que se forma no momento quando se dá conta como é o grupo e como funciona.


  • Como funciona

    • Contratos





Os terapeutas de Análise Transacional trabalham contratualmente, ou seja, fazem acordos sobre qual resultado específico o cliente deseja. Os Contratos típicos são "restabelecer-se da depressão", "livrar-se de dores de cabeça", "parar com a dependência do álcool", "ganhar um modo de vida decente" ou "tirar boas notas".

Enquanto uma grande parte pode ocorrer durante a psicoterapia, o Contrato terapêutico em longo prazo está sempre "no topo", como uma meta diretriz do analista transacional. Ao mesmo tempo, o analista transacional fará Contratos em curto prazo, como tarefas de casa, com relação à sobriedade, ao "não suicídio", para ajudar os clientes a atingir inteiramente seus objetivos contratuais.

Como as pessoas nascem OK, parece lógico que, com uma ajuda competente, elas possam retornar a sua posição original OK. A capacidade de estar OK está aguardando em cada pessoa, pronta para ser libertada das proibições do script.

Os analistas transacionais sabem que, ao esclarecer os Contratos terapêuticos, dirigidos a seus objetivos, analisar efetivamente as transações entre as pessoas, dando uma poderosa permissão para as pessoas mudarem e protegendo-as de seus medos, é possível para todos ter uma chance de tornar-se feliz, amoroso e produtivo.


  • Na vida






Vida e Família
Os indivíduos usam AT para entender as comunicações interpessoais do dia-a-dia e como melhorar a qualidade dessas comunicações e qualidade de suas relações.
A pessoa que tem um equilíbrio entre seus Estados de Ego, e uma posição básica de auto estima, provavelmente terá um comportamento bem ajustado ao meio social. Se este não é o caso, o comportamento irá refletir, de modo repetitivo, a imaturidade, os ressentimentos, os preconceitos do indivíduo.
Tendo consciência do funcionamento dos Estados de Ego, cada pessoa pode escolher respostas adequadas para qualquer situação, conhecendo o funcionamento dos Estados de Ego nas outras pessoas poderá avaliar as transações, os tipos de comunicação e também identificar padrões de conflito (jogos psicológicos) obtendo qualidade nos relacionamentos.
Pessoas diferentes representam diferentes papéis nos jogos. Há uma variedade de papéis, mas os três básicos são: Perseguidor, Salvador e Vítima. Relações familiares, de casal, entre amigos, no trabalho, nas escolas são baseadas nestes papéis.
As posições básicas que tem a pessoa e os Jogos que habitualmente faz, por serem de um dado tipo, fazem com que sua vida pareça a de um ator a desempenhar um papel que leva a um resultado final previsível.
Um convincente estudo desenvolvendo a idéia de "Scripts" de Berne foi feito por H. Wickoff, seu discípulo. Um dos "papeis" que descreve é o da mulher que ostenta um luxo que é mais de bijuteria que de jóias autênticas (mesmo que use jóias caras); usa saltos exageradamente altos, roupas exóticas, perfumes raros e intensa maquiagem.
Acredita que se veste bem e é estimulada a pensar assim por todos os vendedores de boutique que ela conhece, e são sua principal fonte de afagos. No entanto nunca está satisfeita, sente-se continuamente abaixo das artistas de cinema e modelos que admira. O melhor momento do seu dia é no interior das lojas sofisticadas, quando pode comprar o que deseja.
Repetidamente prova a validade do "Script" ao ser ignorada pelas pessoas quando não atua em seu número de "boneca de luxo". O fascínio por roupas e adereços é tão grande que, mesmo rica, sente-se tentada a cometer roubos nas lojas, e agride o marido gastando demais ou usa seu dinheiro para comprar afagos de um psicanalista.
Quando mais velha, freqüentemente enche a vida de trivialidades e a casa com bugigangas. Seu corpo é fino, mas flácido, e tem os pés arruinados com sapatos torturantes e secou a pele com óleo de bronzear.


  • Nas organizações






Análise Transacional nas Organizações
Desenvolvendo competências duráveis e atualizar competências renováveis em cenários de instabilidade
No atual cenário, totalmente dinâmico as inovações nos atropelam, invadem nossas vidas, questionam os nossos valores, testam nossa auto-estima, desafiam nossa capacidade de conviver com a ambigüidade, a instabilidade e a imprevisibilidade dos acontecimentos.

Focalizando a atividade profissional é preciso cultivar minhas competências e garantir minha trabalhabilidade em momentos onde as ofertas de emprego são oscilantes e as empresas não mais garantem estabilidade e segurança.

Trabalhabilidade, é um conceito criado para descrever uma nova condição do trabalhador diante do mercado de trabalho, na qual cabe a cada indivíduo assumir a responsabilidade de gerenciar o desenvolvimento e aperfeiçoamento de suas competências duráveis e a atualizar de forma constante de suas competências transitórias ou renováveis, competência estas que possuem um valor de mercado e poderão ser utilizadas tanto na relação empregatícia, como em outras formas de atividade remunerada.

Pessoas que investem em suas competências duráveis, e por isso mesmo tem condições de atualizar constantemente suas competências transitórias ou renováveis, possuem um leque mais amplo de opções, elevando assim sua probabilidade de sucesso. Em termos de Análise Transacional este é o modelo teórico da personalidade integrada, segundo o qual o estado de ego Adulto desempenha a função de executivo da personalidade, atuando com base nos dados da realidade interna e externa, fruto do diálogo interno entre os três estados de ego descontaminados, o que permite às pessoas tomarem suas decisões de forma consciente, responsável e gratificante.

Competências duráveis são um conjunto de capacidades, conhecimentos, aptidões e experiências que proporcionam às pessoas suficiente estabilidade e equilíbrio interno para lidar com a instabilidade e a imprevisibilidade externa. As competências duráveis se manifestam através de comportamentos, visão de mundo, posicionamentos, decisões e trajetória de vida que refletem a coerência entre valores declarados e valores praticados, entre palavras e ações, fruto de um processo de integração e equilíbrio entre os aspectos afetivos, comportamentais e cognitivos.

São destacadas sete competências duráveis, todas elas intimamente conectadas entre si:
1. Auto-conhecimento
Conhecer a si mesmo é um projeto de vida. Implica reflexão, introspecção e empenho para definir claramente nossa trajetória de vida. Inclui, ainda, o desafio do comprometimento consigo mesmo a respeito de objetivos e metas pessoais, a distinção clara entre o que realmente desejo e o que aprendi que devo , ou não devo, desejar. Berne, o criador da Análise Transacional, cunhou o conceito de script, definido como "um plano de vida baseado numa decisão tomado na infância, reforçado pelos progenitores, justificada por acontecimentos subseqüentes e culminando com uma alternativa escolhida" e acrescenta Berne, "Scripts baseiam-se, em geral, em ilusões infantis que poderão persistir uma vida inteira. Em pessoas mais sensíveis, perceptíveis e inteligentes, estas ilusões se dissolvem, uma a uma, levando às crises existenciais descritas por Erikson. Entre elas está a reavaliação dos pais pelos adolescentes, os protestos às vezes bizarros da meia-idade e depois disso a emergência da filosofia.".

O auto-conhecimento é um ingrediente fundamental da trabalhabilidade, principalmente num mundo onde a consciência da interdependência, a capacidade de trabalhar em equipes reais, ou virtuais, de relacionar-se com pessoas de culturas, valores e formação profissional diferentes são condição sine-qua-non para se obter resultados, resolver problemas, tomar decisões num mundo de trabalho globalizado. As empresas começam a enfatizar a importância da contínua troca de feedback entre pessoas e grupos, mas sabe-se que se não houver abertura para ouvir, humildade para reconhecer e coragem para processar a informação recebida, não haverá nem crescimento das pessoas, nem mudanças na natureza e qualidade de suas interações. Através da teoria dos Estados de Ego, a Análise Transacional disponibiliza um instrumental rico, versátil, profundo e acessível para o nosso auto-conhecimento, permitindo-nos descobrir ou reconhecer facetas que os que estão à nossa volta já conhecem de longa data. Tendemos, não conscientemente , a permanecer agarrados a uma auto-imagem muitas vezes distorcida, formada no passado que nos impede de utilizar o nosso potencial.

Mas a decisão de atualizarmos esta auto-imagem representa um ato de coragem e de auto-respeito, uma liberação de certas proibições passadas que abrem o caminho para novos e surpreendentes horizontes que nunca antes ousamos explorar.
2. Competência Interpessoal
Se olharmos à nossa volta com olhos não convencionais, observaremos o quanto a humanidade, e cada um de nos, carece de relacionamentos saudáveis e gratificantes que poderiam tornar nossas vidas mais completas, mais plenas em afeto e de autenticidade. Esta carência se evidencia desde os primeiros relacionamentos que se dão no contexto familiar e se expandem para nossas experiências na escola, no grupo de amigos, no trabalho, etc. No mundo do trabalho, e nas empresas em particular, fica mais evidente que a maioria dos problemas existentes não são de ordem técnica, mas sim de relacionamento interpessoal.

Embora as estruturas organizacionais estejam se se alterando com visível rapidez, a participação, a colaboração, a lealdade, a ética nos relacionamentos, a transparência, o trabalho em equipe continua sendo mais objeto de discurso do que da prática cotidiana. A ruptura dos padrões e valores que marcaram a Era Industrial é inevitável, mas muitos, por estarem subjetivamente despreparados, procuram resistir ao processo de mudança.

Fala-se hoje em administração responsável, gestão sem desculpas e justificativas, ênfase nos resultados. A Internet coloca hoje pessoas geograficamente distantes em contato com os acontecimentos e informações em tempo real. Muitos acabam se condenando à marginalização num mercado de trabalho que exige, além que conhecimentos técnicos especializados, pessoas com sensibilidade e intuição apuradas, flexibilidade e abertura para aprender, elevada auto-estima e versatilidade para conviver com as pressões e ambigüidades do dia-a-dia e, principalmente, estabelecer relacionamentos construtivos com colegas, coordenadores, colaboradores, clientes internos e externos, fornecedores. Os serviços assumem importância central, o cliente passa a ser o foco das atenções, uma vez que é ele que faz girar a roda dos negócios, a capacidade de negociação torna-se um elemento chave para a retenção da clientela.

Competência interpessoal, ou seja, capacidade de interaragir de forma construtiva com as pessoas, tal como o auto-conhecimento, é um exercício constante de expansão da auto- consciência e da consciência do outro, é aprimoramento permanente de nossa capacidade de transmitir de forma eficaz e adequada nossas idéias, sentimentos, opiniões, é sensibilidade apurada, é capacidade de observar a reação de nossos interlocutores e utiliza-la como feedback para verificar se a mensagem foi fielmente transmitida e captada.

Competência interpessoal é saber lidar com conflitos, com convites para jogos psicológicos, em resumo, gerir o relacionamento com seres que pensam, agem e reagem diferentemente de nos, possuem necessidades e expectativas diversas no que diz respeito aos resultados da interação.

Ao desenvolver a teoria sobre as Transações, Berne legou-nos um instrumental ímpar para compreender não só o processo de relacionamento interpessoal, mas também os efeitos da utilização dos diferentes canais de comunicação, permitindo assim prever resultados mais prováveis e estabelecer estratégias para tornar as trocas de estímulos e respostas mais eficazes, produtivas e gratificantes, diagnosticar jogos psicológicos em qualquer uma de suas etapas ne evitar relacionamento tóxicos que tanto mal e tanto ressentimento provocam entre as pessoas.
3. Sensibilidade e Intuição
Sensibilidades são recursos importantes que dispomos para captar o que acontece à nossa volta, mas que tendem a ser sub-utilizados seja por terem sido tradicionalmente desencorajados pelos processos educacionais a que fomos submetidos, seja porque escapam à metodologia da lógica cartesiana do Penso, logo existo. Berne ressaltou, já na década dos cinqüenta, a importância das sensações viscerais como uma fonte importante de sinais de alerta, uma forma de obter insight precioso, de captar as sutilezas das pessoas e dos acontecimentos, para a qual não existem aínda explicações lógicas e racionais. Na atualidade António Damásio, neurólogo radicado nos Estados Unidos, utiliza o termo "indicadores somáticos" para descrever este fenômeno e Ikujiro Nonaka da Universidade de Berkeley, Califórnia, menciona que é "o caos e a descontinuidade podem gerar novas formas de interação entre indivíduos e seu ambiente. Os indivíduos recriam seus próprios sistemas de conhecimento para darem-se conta da ambigüidade, redundância, ruído ou causalidade que são geradas no ambiente organizacional". Trata-se de uma forma de conhecimento tácito que se cristaliza através dos tempos e é passada de geração a geração através das mais diversas metáforas culturais que representam o que as pessoas sabem, mas não conseguem expressar de forma lógica e organizada.

No mundo contemporâneo, caracterizado por uma economia de serviços e pela presença cada vez mais marcante da mulher nos diferentes campos de trabalho, alarga-se o espaço e a credibilidade para os aspectos soft, (intuição, sensações e sentimentos) os chamados intangíveis ou virtuais, em contraposição aos aspectos hard (instalações, equipamentos, matéria prima, etc.), os chamados tangíveis ou materiais.

O paradoxo é que estas competências duráveis, sensibilidade e intuição, embora representem um elevado valor econômico no mercado e uma vantagem estratégica sem concorrência, tem sido sub-utilizadas e muitas vezes desconsideradas no mundo dos negócios. Alguns setores empresariais, entretanto, em particular os que têm experiência com "matérias primas" intangíveis como idéias, percepções, palpites, sensações, como é o caso de ramos como publicidade, marketing, software, telecomunicações, etc., estão aprendendo rapidamente a valorizar estas competências.

1   2   3   4   5   6   7

similar:

Entrevista Conclusão iconEntrevista r

Entrevista Conclusão icon7. entrevista

Entrevista Conclusão iconEntrevista psicolóica

Entrevista Conclusão iconEntrevista a Egresado

Entrevista Conclusão iconEntrevista : consideraciones

Entrevista Conclusão iconEntrevista en profundidad: 74

Entrevista Conclusão iconEntrevista al Doctor

Entrevista Conclusão iconEntrevista extensiva 6

Entrevista Conclusão iconEntrevista e: ¿Qué me puedes

Entrevista Conclusão iconEntrevista a la familia / anamnesis




Todos los derechos reservados. Copyright © 2019
contactos
b.se-todo.com