Grupo de estudo das obras de andré luiz e




descargar 390.66 Kb.
títuloGrupo de estudo das obras de andré luiz e
página7/9
fecha de publicación09.03.2016
tamaño390.66 Kb.
tipoDocumentos
b.se-todo.com > Documentos > Documentos
1   2   3   4   5   6   7   8   9

(Fonte: capítulos 25 a 30.)
1. De volta à Fazenda natal - O Sr. Ferguson havia aprendido a lição da dor, tal como acontecera com sua família, compreendendo ser o auxílio ao próximo a maneira eficaz de esquecer-se de si mesmo e de ser feliz. O bem, distribuído indistintamente, passava a demorar-se nos próprios doa­dores, prodigalizando-lhes grandes benefícios. Não aspiravam a resolver os conflitos alheios: desejavam auxiliar de alguma forma para que os conflitados encontrassem a luz do discernimento e o alento da coragem, para resolverem as próprias dificuldades. Tentavam retribuir ao Senhor algo do muito que haviam recebido e prosseguiam recebendo. A Doutrina Espírita adentrara-se-lhes n'alma, e, quando isso ocorre, luze e esparze as bênçãos da esperança como decorrência natural da renovação. O tempo preenchido com sabedoria avançava sem novas sombras, nem dores mais agu­das. Gilberto e Tamíris ficaram noivos, acalentando o desejo de terem uma prole a serviço da fé, recebendo em seu lar Espíritos queridos e, quiçá, necessitados, colaborando na Obra de amor de Nosso Pai. Pouco de­pois do Natal, Artêmis foi chamada a visitar a Fazenda, onde o velho pai, que não via há vários anos, preparava-se para desencarnar. Na via­gem, acompanhada por Hermelinda e por um mano que a viera buscar, Artê­mis retornava à infância, ante a paisagem querida que se renovava diante do veículo apressado. Mais de trinta anos se haviam passado desde quando se afastara daquelas terras, com a alma repleta de esperanças e so­nhos... Volvia então com o espírito povoado de experiências e prenhe de resignação, com infinito reconhecimento a Jesus e à Mãe Santíssima. Ape­sar de todos os seus sofrimentos, ela agora sentia-se em paz, calma e lúcida, confiando no amor de Deus para o futuro. Adelaide estava a seu lado, e ela percebeu a presença materna, enchendo-se seus olhos de mor­nas e abundantes lágrimas. "Artêmis -- disse-lhe Hermelinda --, vejo a nossa amada Adelaide. Tenho-a nítida, na visão mental, a sorrir-me, en­quanto a acarinha. Tão bela!" (Cap. 25, pp. 243 e 244)
2. Prece de gratidão ao corpo físico - Chegando ao lar paterno, Artêmis e Hermelinda logo acorreram ao quarto em que o ancião, arquejante, deba­tia-se no processo da desencarnação. A filha não sopitou a dor, contem­plando o corpo encarquilhado, vencido pelas sucessivas enfermidades que abateram o antigo e austero senhor. Nenhum traço mais restava da pujança dos músculos e da força, da jovial aparência e da robustez de atitudes. O sofrimento subjugara a forma, e a sombra da morte, pairando sobre as carnes sucumbidas, tornara-o um despojo que respirava... "Papai!... Meu amado paizinho, aqui estou -- disse-lhe Artêmis, com infinita ternura. Perdoe-me a demora... Quanta saudade, meu querido pai!" O enfermo, que já  se encontrava em avançado processo de desencarnação, ouvindo-a em es­pírito, desenhou na face um sorriso e balbuciou, a custo: "Minha... so­frida... Artê... mis, filha... adorada... Graças... a... Deus!..." E caiu em coma. A ansiedade em rever a filha distante sustentara os liames que o mantinham preso até aquele momento. O desprendimento durou por toda a noite. Ao amanhecer, enquanto Hermelinda orava a "prece por um agonizante", que extraíra d' O Evangelho segundo o Espiritismo, cessou a respiração. Os filhos, netos, demais familiares e servos foram trazidos para a oração geral, conforme o hábito local, enquanto Adelaide acolhia com carinho de mãe o recém-chegado. As lágrimas de dor, na Terra, fa­ziam-se acompanhar de júbilos além do corpo transitório. A veneranda En­tidade, porém, antes de conduzir o amado a outra esfera de vida, deteve-se, contemplando o corpo já  em desagregação, e, num ato de profundo res­peito, proferiu uma prece de gratidão aos despojos submissos, nos quais seu companheiro aprendera paciência e se adestrara na humildade, cres­cendo no rumo da luz, após vencida a etapa de provas e experiências ora encerradas. (Cap. 25, pp. 245 e 246)
3. Evangelho na zona rural - As exéquias foram simples e não deram mar­gem a cenas lamentáveis, como costuma ocorrer mesmo em ambientes ditos cristãos. Em muitos círculos sociais da Terra vigem o anedotário fesce­nino, os comentários desairosos, as recordações vinagrosas com que as pessoas relembram e envolvem os desencarnados, durante os velórios. Isso, não raro, lhes inflige perturbações e angústias, fazendo-os expe­rimentar selvagens sensações condizentes com a natureza das referências pejorativas que dizem respeito a paixões de que ainda não se libertaram, ou amargurando-os com o que prefeririam esquecer por todo o sempre, se possível. E' preciso dignificação ante os que partiram. Nem o elogio fú­nebre mentiroso, nem a indébita homenagem bombástica e pomposa, nem -- ainda menos -- a santificação apressada e incoerente, de que passam a desfrutar muitos espíritos, bem como tampouco a mordacidade, o humor chulo, a impiedade derramando lodo e lama na suas lembranças. Sem exce­ção, nenhum ser que se encontre encarnado se eximir  a esse renascimento que a morte biológica impõe, incansável. Passados os funerais, Artêmis e Hermelinda conviveram por alguns dias com os familiares queridos e não perderam oportunidade de referir-se ao Espiritismo, lançando as bases da oração no lar e do estudo do Evangelho que a previdência de Hermelinda levara com carinho, para não se afastar dos seus ensinos, fonte inexau­rível de consulta e consolação. Num gesto nobre, ela ofertou o exemplar a Francisco, irmão de Artêmis, que geria a Fazenda e permaneceria com outros familiares na propriedade. Toda noite, enquanto ali estiveram, promoveram o encontro iluminativo, que se alongava até tarde, enquanto narravam as esperanças e os consolos que hauriam na fé sublime. As irmãs evitavam comentar os próprios testemunhos, mas expunham as experiências de dor e paz, desequilíbrio e harmonia que haviam presenciado ante a luz meridiana do Consolador, respondendo a perguntas, elucidando as crendi­ces e superstições e reportando-se à mediunidade largamente praticada em toda parte, embora desconhecida nas suas legítimas bases cristãs e mo­rais. Suas palavras e os argumentos inconfundíveis refundiam o ânimo de todos e colocavam bases para o erguimento de singela célula espírita na­queles longínquos sertões... Os familiares próximos, que sabiam do mar­tírio de Artêmis e a identificavam robusta e confiante, ouviam-na com atenção, respeito e carinho. (Cap. 25, pp. 247 e 248)
4. Um novo núcleo espírita - Os postulados espíritas traziam a todos na Fazenda novas dimensões sobre a vida, alargando os horizontes do enten­dimento humano e produzindo felicidade em cada criatura. Não se encer­rando a vida no túmulo, conforme preceituam todas as religiões, é mister compreender que uma sociedade de sobreviventes possui sua própria estru­tura, seus códigos, seus dispositivos espirituais, sua forma especial de existência... Se se considerar, porém, a preexistência do espírito à concepção, mais fácil se faz compreender toda a complexidade da vida es­piritual, tornando-se a vida na Terra um simulacro, uma cópia imper­feita, sem dúvida, daquela... Essas lições e a evocação dos dias apostó­licos imantavam os ouvintes e os felicitavam. Estimuladas pela inspira­ção de Adelaide, passaram à terapia do passe, atendendo aos casos graves de obsessão e enfermidades múltiplas que atavam inúmeros sofredores aos catres das dores... Natércio, certa noite, a convite de Adelaide, compa­receu aos trabalhos que ali se realizavam, quando as emoções atingiram alto grau de sintonia espiritual. Valendo-se das forças das abnegadas trabalhadoras, o Benfeitor Espiritual dispensou recursos curativos entre alguns dos enfermos que, instantaneamente, recuperaram a saúde, entre sinceros júbilos dos circunstantes contritos. A luz do amor rompia a treva do desespero, em nome do Senhor. Na data da partida, ante o com­promisso de Francisco de manter duas vezes por semana o trabalho ilumi­nativo, as servidoras do Cristo despediram-se. As pessoas lhes oscularam as mãos abnegadas, trazendo singelas lembranças e mimos humildes de ca­rinho e gratidão. Eram doces simples, frutos colhidos nos ramos da Natu­reza, legumes, como nos dias primeiros dos seguidores do "Caminho" se fazia entre os conversos e os seus benfeitores... Artêmis sabia n'alma que eram as despedidas terrenas e procurou reter na lembrança os postais vivos da terra querida e os sentimentos amorosos da afeição dos humil­des. Quando o veículo partiu, ela e Hermelinda agradeceram a Deus, dei­xando acesa a lâmpada da Fé Viva que as conjugadas forças do mal jamais apagariam, porque colocada no santuário das almas sinceramente tocadas por Jesus. (Cap. 25, pp. 248 e 249)
5. Os progressos de Lisandra - Reassumindo suas atividades no Centro Es­pírita "Francisco Xavier", Artêmis e Hermelinda foram informadas por Epifânia quanto ao júbilo do Mentor, em referência à forma feliz como souberam pautar o comportamento nos dias lutuosos em que haviam trans­formado tristezas terrenas em alegrias de imortalidade. Com o objetivo de estimulá-las na consecução do programa renovador da caridade, a mé­dium informou-as sobre a presença de Natércio nas tarefas recém-criadas na Fazenda. Quando os homens compreenderem, afirmando-o pela vivência, que nunca estão a sós, mas sempre rodeados de Entidades que se lhes as­semelham e com eles se sintonizam pela afinidade mental de gostos e ati­tudes, sem dúvida adotarão outros hábitos de raciocínios, aspirações e comportamentos, a fim de experimentarem e manterem superior relaciona­mento espiritual, fruindo disso abençoadas alegrias, experiências de paz e felicidade, porque se alçarão intimamente a situações muito diversas das que lhes são habituais. As notícias de Lisandra eram promissoras. A jovem, não obstante em processo de recuperação lenta, dava mostras de singular renovação. Além de participar dos trabalhos espirituais, lia, agora, espontaneamente, "O Evangelho". Estimulada pela enfermeira, com quem repartia apreensões e receios, começou a meditar nas lições do Se­nhor, submetendo-se ao rigoroso tratamento com humildade e esforço. Sob a custódia de Adelaide e Natércio, com os sucessivos tratamentos a que era conduzida quando em parcial desprendimento pelo sono, se liberava da angústia, e sem a constrição de Ermínio Lopez, que recebia cuidados afe­tuosos, experimentava menor tensão, desaparecendo as crises de epilepsia totalmente. Não defrontando o adversário de sua paz, diminuíram os pavo­res e as fugas psíquicas, embora existissem outros Espíritos que, por lhe haverem sofrido o jugo ou o desdém, a perseguição ou o sarcasmo, in­sistiam na cobrança. Longa seria, porém, a senda da ascensão para a en­ferma, a quem Natércio conscientizava das responsabilidades assumidas, apresentando-lhe os recursos que ela poderia investir, para liberar-se quanto antes da difícil situação. O Mentor Espiritual mostrou-lhe que ela poderia, na conjuntura expiatória em que o sofrimento diminuía, op­tar por protelar parte dos débitos restantes ou pelo imediato resgate deles. (Cap. 26, pp. 251 a 253)
6. Rafael recebe alta clínica - Lisandra optou pela ascensão e, com a visão dilatada, considerando então os acontecimentos já do ponto de vista espiritual, aquiesceu em receber, espontaneamente, novas rudes provanças. Ela já  não se evadia à consciência de culpa, nem se justifi­cava com a frivolidade pelos erros cometidos. Sincero arrependimento, isento da idéia pessimista de infelicidade, deu-lhe maiores dimensões aos imperativos de expiação e ressarcimento... Evidentemente, a boa dis­posição não anulava os camartelos da saudade da família no espírito so­frido. O conforto da fé e a presença da caridade cristã de que era ob­jeto impediam, porém, que a revolta e a mágoa lhe tisnassem as esperan­ças, fazendo-a mergulhar ainda mais no poço do desespero e do azedume, de que saía agora para a largueza da planície em sol da saúde mental. Lisandra já  se interessava pelos demais pacientes e, quando seu estado o permitia, acompanhava Lisabete, procurando ser útil. Do Leprocômio, as notícias de Rafael eram igualmente auspiciosas: ele melhorava a olhos vistos. A hanseníase regredia e as deformações minoravam. Todos lhe abençoavam a amizade espontânea, o interesse fraternal com que se preo­cupava pelos demais. Um ano após a viagem de Lisandra, Rafael teve alta clínica. A notícia o aturdiu. O Dr. Armando Passos agira com prudência, para evitar a surpresa de uma desilusão. A família foi notificada pelo médico em júbilo, que se comprometeu a acompanhar o amigo de volta ao lar, produzindo nas almas simples e sinceras uma inaudita emoção de fe­licidade. Gilberto, apesar de feliz com a notícia, deixou-se apossar de terrível angústia íntima que procurou dissimular. Naquela mesma noite, no Centro Espírita, enquanto Epifânia atendia aos sofredores que lhe buscavam o concurso espiritual, com sincera humildade o moço relatou o drama à médium, sem omitir os sentimentos que nutria pelo pai e dos quais se envergonhava, rogando-lhe orientação e ajuda. Epifânia não se furtou a confortá-lo, pois sabia ser ele a reencarnação de Jean-Marie de Rondelet, que se tornou amante de Annette, esposa de seu amo, Sr. Geor­ges, a quem ele então servia e odiava. A médium, telementalizada por Na­tércio, elucidou, dizendo-lhe: "A experiência carnal numa família cons­titui ensancha de aprendizagem e reparação. A indiferença que você nutre pela irmã sofrida e o desprezo pelo pai azorragado são procedentes, em­bora não justificáveis; provindos do passado próximo, devem ser sanados agora, ante a medicação oferecida pelo Espiritismo. Você tem sabido va­lorizar o tempo e lutar contra as tenazes da inferioridade que teimam por puxá-lo para baixo, enquanto as esperanças do Senhor o impelem para cima. Não decaia neste momento. Refugie-se na oração e veja o genitor com os olhos da piedade... A renovação que ele se impôs e as dores su­perlativas que sofreu, estóico, credenciam-no, agora, ao seu amor. An­tes, merecia já  a sua devoção e afeição filiais, pela gratidão que lhe deve ao corpo sadio com que marcha para o futuro... Hoje, adicione o respeito pelas lutas que ele travou, as renúncias e angústias a que se impôs, e o amor santificado lhe substituirá  a melancolia evocativa do lúgubre passado..." (Cap. 26, pp. 253 a 255)
7. Rafael retorna ao lar - Epifânia fez breve pausa, colocou fraternal­mente a destra sobre o ombro do rapaz, refundindo-lhe as energias pelo toque direto, e concluiu: "Diminuem as responsabilidades que você abra­çou com nobreza em relação aos familiares. Todavia, tal compromisso -- de que você se libera em parte, com o retorno do genitor -- não cessa, antes se estende, devendo você, agora, assumi-lo em relação a outrem..." Gilberto corou, compreendendo a insinuação, e agradeceu emocionado os ensinamentos recebidos da médium. Informou, em seguida, que agora pode­ria consorciar-se com Tamíris, porque, estando o pai em casa, sua ausên­cia teria então menor efeito negativo. A aura psíquica, a afetividade espontânea e o interesse amigo da médium, telecomandada por Natércio, magnetizaram o jovem que, ao influxo dessas energias benéficas, refez-se, retirando-se renovado. No dia convencionado, Dr. Armando Passos e senhora conduziram o ex-hanseniano de volta ao lar. Cândido e esposa o aguardavam, participando dos júbilos familiares. E Epifânia, convidada por Artêmis, compareceu, levando festivo bolo comemorativo. A chegada do chefe da casa foi emocionante!... Dezesseis anos se haviam passado desde o dia sombrio em que ele saíra sob o estigma de rudes incertezas, ven­cido por acerbas aflições. Naquela oportunidade, os pequenos sinais ex­teriores retratavam a hanseníase do espírito, ao passo que agora as ex­pressivas marcas e mutilações da enfermidade orgânica traduziam a libe­ração de todo o mal drenado da alma... Após as saudações afetuosas e os abraços cordiais, Rafael não pôde ocultar o sentimento de saudade pela ausência da filha. Artêmis percebeu-lhe a sombra da tristeza na face e apressou-se a dizer: "Na glória da nossa redenção, continuemos conver­tendo as tristezas e amarguras da Terra em esperanças e alegrias que um dia fruiremos na Espiritualidade..." Essas palavras, inspiradas por Ade­laide, produziram o efeito pretendido. Ato contínuo, a esposa de Rafael pediu que Epifânia expressasse por eles as gratidões e os júbilos ao Senhor pela concessão com que Ele enriquecia suas vidas, aduzindo: "Os verdadeiros cristãos não podem nunca se olvidar da gratidão, especial­mente às fontes sublimes da Misericórdia Divina, na hora da alegria. Na lição dos dez leprosos curados, jamais nos esqueçamos de que apenas um voltou a Jesus para agradecer..." (Cap. 26, pp. 255 a 257)
8.
1   2   3   4   5   6   7   8   9

similar:

Grupo de estudo das obras de andré luiz e iconGrupo de estudo das obras de andré luiz e

Grupo de estudo das obras de andré luiz e iconAndré Luiz (Espírito) Obra psicografada por Francisco Cândido Xavier

Grupo de estudo das obras de andré luiz e iconEntrevista con el Dr. Luiz Moura

Grupo de estudo das obras de andré luiz e iconLuiz maklouf carvalho revista Piauí

Grupo de estudo das obras de andré luiz e iconIndicadores de percepção pública da ciência e da tecnologia no Brasil...

Grupo de estudo das obras de andré luiz e icon¿Cómo podrán ser los hijos de un hombre de grupo o y de una mujer...

Grupo de estudo das obras de andré luiz e iconLigações perigosas Estudo diz que a radiação emitida por telefones...

Grupo de estudo das obras de andré luiz e iconAntologia amante das leituras 2011

Grupo de estudo das obras de andré luiz e iconLos polipéptidos se forman por la condensación de aminoácidos. Esto...

Grupo de estudo das obras de andré luiz e iconANÁlisis de obras literarias




Todos los derechos reservados. Copyright © 2019
contactos
b.se-todo.com