Ditado pelo espírito joanna de ãngelis




descargar 0.63 Mb.
títuloDitado pelo espírito joanna de ãngelis
página1/19
fecha de publicación12.03.2016
tamaño0.63 Mb.
tipoDocumentos
b.se-todo.com > Documentos > Documentos
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   19




AMOR, IMBATÍVEL AMOR

DIVALDO PEREIRA FRANCO

DITADO PELO ESPÍRITO JOANNA DE ÃNGELIS


ÍNDICE
A EXCELÊNCIA DO AMOR
PRIMEIRA PARTE

CAPÍTULO 1 = AMOR, IMBATÍVEL AMOR

CAPÍTULO 2 = AMOR E EROS

CAPÍTULO 3 = DESEJO E PRAZER

CAPÍTULO 4 = SEXO E AMOR

CAPÍTULO 5 = MEDO DE AMAR

CAPÍTULO 6 = CASAMENTO E COMPANHEIRISMO
SEGUNDA PARTE

CAPÍTULO 7 = CONQUISTA DO PRAZER

CAPÍTULO 8 = PODER PARA O PRAZER

CAPÍTULO 9 = PRAZER E FUGA DA DOR

CAPÍTULO 10 = AFEIÇÕES E CONFLITOS
TERCEIRA PARTE

CAPÍTULO 11 = FUGAS E REALIDADE

CAPÍTULO 12 = HEDONISMO

CAPÍTULO 13 = O EU E A ILUSÃO

CAPÍTULO 14 = DUALIDADE DO BEM E DO MAL

CAPÍTULO 15 = A BUSCA DA REALIZAÇÃO
QUARTA PARTE

CAPÍTULO 16 = MECANISMOS CONFLITIVOS

CAPÍTULO 17 = FERIDAS E CICATRIZES DA INFÂNCIA

CAPÍTULO 18 = INSEGURANÇA E ARREPENDIMENTO

CAPÍTULO 19 = NOSTALGIA E DEPRESSÃO

CAPÍTULO 20 = EXISTÊNCIAS FRAGMENTADAS
QUINTA PARTE

CAPÍTULO 21 = A BUSCA DO SENTIDO EXISTENCIAL

CAPÍTULO 22 = O VAZIO EXISTENCIAL

CAPÍTULO 23 = NECESSIDADE DE OBJETIVO

CAPÍTULO 24 = SIGNIFICADO DO SOFRIMENTO NA VIDA

CAPÍTULO 25 = RELATIVIDADE DA VIDA FÍSICA
SEXTA PARTE

CAPÍTULO 26 = OBJETIVOS CONFLITIVOS

CAPÍTULO 27 = SUCESSO E FRACASSO

CAPÍTULO 28 = ASTÚCIA E CRIATIVIDADE

CAPÍTULO 29 = IMAGEM E PROJEÇÃO

CAPÍTULO 30 = INDIVIDUALISMO
SÉTIMA PARTE

CAPÍTULO 31 = TORMENTOS MODERNOS

CAPÍTULO 32 = MASSIFICAÇÃO

CAPÍTULO 33 = PERDA DO SENSO DE HUMOR

CAPÍTULO 34 = COMPORTAMENTOS AUTODESTRUTIVOS
OITAVA PARTE

CAPÍTULO 35 = QUEDA E ASCENSÃO PSICOLÓGICA

CAPÍTULO 36 = DESPERSONALIZAÇÃO

CAPÍTULO 37 = CONFLITO AFETIVO

CAPÍTULO 38 = RECUPERAÇÃO DA IDENTIDADE

CAPÍTULO 39 = AUTO-AFIRMAÇÃO
NONA PARTE

CAPÍTULO 40 = ALGOZES PSICOLÓGICOS

CAPÍTULO 41 = TIMIDEZ

CAPÍTULO 42 = INIBIÇÃO

CAPÍTULO 43 = ANGÚSTIA

CAPÍTULO 44 = ABANDONO DE SI MESMO
DÉCIMA PARTE

CAPÍTULO 45 = DOENÇAS DA ALMA

CAPÍTULO 46 = MAU HUMOR

CAPÍTULO 47 = SUSPEITAS INFUNDADAS

CAPÍTULO 48 = SÍNDROME DE PÂNICO

CAPÍTULO 49 = SEDE DE VINGANÇA
DÉCIMA-PRIMEIRA PARTE

CAPÍTULO 50 = INCERTEZAS E BUSCA PSICOLÓGICA

CAPÍTULO 51 = DESAJUSTAMENTO

CAPÍTULO 52 = AFETIVIDADE PERTURBADA

CAPÍTULO 53 = BUSCA DE SI MESMO

CAPÍTULO 54 = AUTOCONFIANÇA E AUTO-RENOVAÇÃO
DÉCIMA-SEGUNDA PARTE

CAPÍTULO 55 = TRANSTORNOS CONTEMPORÂNEOS

CAPÍTULO 56 = PERDA DO SI

CAPÍTULO 57 = AUSÊNCIA DE ALEGRIA

CAPÍTULO 58 = IMPULSOS DOENTIOS PERVERSOS
DÉCIMA-TERCEIRA PARTE

CAPÍTULO 59 = VITÓRIA DO AMOR

CAPÍTULO 60 = AMORTERAPIA

CAPÍTULO 61 = AMOR-PERDÃO

CAPÍTULO 62 = AMOR QUE LIBERTA

CAPÍTULO 63 = AMOR DE PLENITUDE

A EXCELÊNCIA DO AMOR
O processo de evolução do ser tem sido penoso, alongan­do-se pelos milênios sob o impositivo da fatalidade que o con­duzirá à perfeição.

Dos automatismos primevos nas fases iniciais da busca da sensibilidade, passou para os instintos básicos até al­cançar a íntelígêncía e a razão, que o projetarão em patamar de maior significado , quando a sua comunicação se fará, mente a mente, adentrando -se, a partir dai; pelos campos vibratóri­os da intuição.

Preservando numa fase a herança das anteriores, o me­canismo de fixação das novas conquistas e superaçdo das an­teriores, torna-se um desafio que lhe cumpre vencer.

Quanto mais largo foi o estágio no patamar anterior, mais fortes permanecem os atavismos e mais dificeis as adaptações aos valiosos recursos que passa a utilizar.

Porque o trânsito no instinto animal foi de demorada aprendizagem, na experiência humana ainda predominam aqueles fatores afligentes que a lógica, o pensamento lúcido e a razão se empenham por substituir.

Agir, evitando reagir; pensar antes de atuar; reflexionar como passo inicial para qualquer empreendimen­to; promover a paz, ao invés de investir na violência constituem os passos decisivos para o comportamento saudável.

A herança animal, no entanto, que o acostumara a to­mar, a impor-se, a predominar, quando mais/arte, se trans­formou em conflito psicológico, quando no convívio social inteligente as circunstâncias não facultaram esse procedimen­to primitivo.

Por outro lado, os fatores endógenos — hereditarieda­de, doenças degenerativas e suas seqüelas —, assim como aqueles de natureza exógena — conflitos familiares, pres­sões psicossociaís, religiosas, culturais, sócio-econômicas, de relacionamento interpessoal — e os traumatismos cra­nianos, respondem pelos transtornos psicológicos e pelos distúrbios psiquiátricos que assolam a sociedade e desar­ticulam os indivíduos.

Criado o Espírito simples, para adquirir experiências a esforço próprio, e renascendo para aprimorar-se, as realiza­ções se transferem de uma para outra vivência, dando curso aos impositivos da evolução que, enquanto não viger o amor, se imporão através dos processos aflitivos.

Inevitavelmente, porém, momento surge, no qual há um despertamento para a emoção superior e o amor brota, a prin­cípio como impulso conflitivo, para depois agigantar-se de forma excelente, preenchendo os espaços emocionais e libe­rando as tendências nobres, enquanto dilui aquelas de natu­reza inferior.

O sexo, nesse imenso painel de experiências, na condi­ção de atavismo predominante dos instintos primários essen­ciais, desempenha papel importante no processo da saúde psicológica e mental, não olvidando também a de natureza física.

Pela exigência reprodutora, domina os campos das ne­cessidades do automatismo orgânico tanto quanto da emoção, tornando-se fator de desarmonia, quando descontrolado, ou precioso contributo para a sublimação, se vivencíaddo pelo amor.

Psicopatologias graves ou superficiaís têm sua origem na conduta sexual frustrante ou atormentada, insegura ou instável, em razão das atitudes anteriores que promoveram os conflitos que decorrem daquelas atitudes infelizes.

Nesse capítulo, a hereditariedade, a família, a presença da mãe castradora ou superprotetora, todos os fenômenos perimatais perturbadores são conseqüências das referidas ações morais pretéritas.

As terapias psicológicas, psicanalíticas e psiquiátricas, de acordo com cada psicopatologia, dispõem de valioso arse­nal de recursos que, postos em prática, liberam as multidões de enfermos, gerando equilíbrio e paz.

Não obstante, a contribuição psicoterapêutica do amor é de inexcedível resultado, por direcionar-se ao Si profundo, restabelecendo o interesse do paciente pelos obgetivos saudá­veis da vida, de que se díssocira.

O amor tem sido o grande modificador da cultura e da cívilização, embora ainda remanesçam costumes bárbaros que facultam a eclosão de tormentos emocionais complexos...

O imperador Honório, por exemplo, que governava Roma e seus domínios, era jovem, algo idiota, covarde e pusilâni­me, conforme narra a História. No entanto, pressionado por cristãos eminentes, discípulos do Amor, fecho as escolas de gladiadores no ano de 399, onde se preparavam homicidas legais.

Quando os gados ameaçavam invadir a capital do Impé­rio, o general Atilicho, em nome do governante e do povo, os bateu em sangrentas batalhas, expulsando-os de volta às re­giões de origem em 403.

Ao serem celebradas essas vítórias no Coliseu — o monu­mental edifício sólido que comportava cinqüenta mil expec­tadores e propiciava espetáculos variados quão formidandos — estavam programadas cerimônias várias e esplendorosas como: corridas de bigas e quadrigas, desfiles, musicais, baila­dos... Por fim, em homenagem máxima ao Imperador e ao General, foram exibidas lutas de gladiadores, que se deveri­am matar.

No auge da exaltação da massa, quando os primeiros lutadores se apresentaram na arena, um homem humilde ati­rou-se das galerias entre eles e começou a suplicar-lhes que não se matassem...

O estupor tomou conta da multidão que, logo recupe­rando a ferocídade, pôs-se a atirar-lhe pedras e tudo quanto as mãos alcançassem, ao tempo em que pedúim a morte do intruso, de imediato assassinado para delírio geral...

Apesar do terrível desfecho, aquele foi o último espetá­culo dantesco do gênero, e em 404, as lutas de gladiadores foram finalmente abolidas.

O sacrifício de amor do anônimo foi responsável pela radical mudança de hábitos na época.

Ressurgiram, sem dúvida, de forma diferente, naquelas denominadas marciais, no Oriente, e de boxe, no Ocidente, porque ainda predominam os instintos primitivos, mas serão proibidas em futuro não distante, como resultado da força do amor...

Assim também as guerras, as lutas fratricidas, os con­flitos domésticos e sociais, quando a consciência de justiça suplantar as tendências destrutivas...

... O amor vencerá!
*
Examinamos, no presente livro, várias psicopatologias e conflitos hodíernos, recorrendo a admiráveis especialistas nessa área, a quem respeitamos; no entanto, colocamos uma ponte espiritual entre as suas terapias valiosas e o amor, con­forme a visão espírita, herdada do Psicoterapeuta galileu.

Reconhecemos que não apresentamos qualquer origina­lidade, que ainda não haja sido proposta. Dispusemo-nos, no entanto, a contribuir com apontamentos que esperamos pos­sam ajudar a evitar a instalação de diversos conflitos naque­les que ainda não os registrou e auxiliar quem os padece, ofe­recendo-lhes experiências e informações, talvez ainda não ten­tadas que, certamente, contribuirão de forma eficaz para a conquista da saúde integral.

Tranqüila, por havermos cumprido com o dever da solidariedade que deflui do amor, almejamos que os nossos lei­tores possam recolher algo de útil e de valioso do nosso esfor­ço de bem servir conforme aqui exposto.
Salvador, 18 de maio de 1998.

Joanna de Ãngelis

PRIMEIRA PARTE

1

AMOR, IMBATÍVEL AMOR
O amor é substância criadora e mantenedora do Universo, constituído por essência divina.

É um tesouro que, quanto mais se divide, mais se multiplica, e se enriquece à medida que se reparte.

Mais se agiganta, na razão que mais se doa. Fixa-se com mais poder, quanto mais se irradia.

Nunca perece, porque não se entibia nem se enfra­quece, desde que sua força reside no ato mesmo de doar-se, de tornar-se vida.

Assim como o ar é indispensável para a existência orgânica, o amor é o oxigênio para a alma, sem o qual a mesma se enfraquece e perde o sentido de viver

É imbatível, porque sempre triunfa sobre todas as vicissitudes e ciladas.

Quando aparente — de caráter sensualista, que bus­ca apenas o prazer imediato — se debilita e se envene­na, ou se entorpece, dando lugar à frustração.

Quando real, estruturado e maduro — que espera, estimula, renova — não se satura, é sempre novo e ideal, harmônico, sem altibaixos emocionais. Une as pes­soas, porque reúne as almas, identifica-as no prazer geral da fraternidade, alimenta o corpo e dulcifica o eu profundo.

O prazer legítimo decorre do amor pleno, gerador da felicidade, enquanto o comum é devorador de ener­gias e de formação angustiante.

O amor atravessa diferentes fases: o infantil, que tem caráter possessivo, o juvenil, que se expressa pela insegurança, o maduro, pacificador, que se entrega sem reservas e faz-se plenificador.

Há um período em que se expressa como compen­sação, na fase intermediária entre a insegurança e a ple­nificação, quando dá e recebe, procurando liberar-se da consciência de culpa.

O estado de prazer difere daquele de plenitude, em razão de o primeiro ser fugaz, enquanto o segundo é permanente, mesmo que sob a injunção de relativas aflições e problemas-desafios que podem e devem ser vencidos.

Somente o amor real consegue distingui-los e os pode unir quando se apresentem esporádicos.

A ambição, a posse, a inquietação geradora de in­segurança — ciúme, incerteza, ansiedade afetiva, cobran­ça de carinhos e atenções —, a necessidade de ser ama­do caracterizam o estágio do amor infantil, obsessivo, dominador, que pensa exclusivamente em si antes que no ser amado.

A confiança, suave-doce e tranqüila, a alegria na­tural e sem alarde, a exteriorização do bem que se pode e se deve executar, a compaixão dinâmica, a não-posse, não-dependência, não-exigência, são benesses do amor pleno, pacificador, imorredouro.

Mesmo que se modifiquem os quadros existenci­ais, que se alterem as manifestações da afetividade do ser amado, o amor permanece libertador, confiante, in­destrutível.

Nunca se impõe, porque é espontâneo como a pró­pria vida e irradia-se mimetizando, contagiando de jú­bilos e de paz.

Expande-se como um perfume que impregna, agra­dável, suavemente, porque não é agressivo nem em­briagador ou apaixonado...

O amor não se apega, não sofre a falta, mas frui sempre, porque vive no íntimo do ser e não das gratifi­cações que o amado oferece.

O amor deve ser sempre o ponto de partida de to­das as aspirações e a etapa final de todos os anelos hu­manos.

O clímax do amor se encontra naquele sentimento que Jesus ofereceu à Humanidade e prossegue doan­do, na Sua condição de Amante não amado.

2

AMOR E EROS
O amor se expressa como sentimento que se expande, irradiando harmonia e paz, terminando por gerar plenitude e renovação íntima. Igualmente se manifesta através das necessidades de intercâmbio afetivo, no qual os indivíduos se completam, per­mutando hormônios que relaxam o corpo e dinami­zam as fontes de inspiração da alma, impulsionando para o progresso.

Sem ele, se entibiam as esperanças e deperece o ob­jetivo existencial do ser humano na Terra.

As grandes construções do pensamento sempre se alicerçam nas suas variadas manifestações, concitan­do ao engrandecimento espiritual, arrebatando pelos ideais de dignificação humana e fomentando tanto o desenvolvimento intelectual como o moral.

Valioso veículo para que se perpetue a espécie, quando no intercurso sexual, de que se faz o mais im­portante componente, é a força dinâmica e indispensá­vel para que a vida se alongue, etapa-a-etapa, ditosa e plena.

Nos outros reinos — animal e vegetal — manifesta-se como instinto no primeiro e fator de sincronia no segundo, de alguma forma embriões da futura conquis­ta da evolução.

Adorna a busca com a melodia da ternura e encan­ta mediante a capacidade que possui de envolvimento, sem agressão ou qualquer outro tipo de tormento.

Sob a sua inspiração as funções sexuais se enobre­cem e a sexualidade se manifesta rica de valores sutis: um olhar de carinho, um toque de afetividade, um abra­ço de calor, um beijo de intimidade, uma carícia envol­vente, uma palavra enriquecedora, um sorriso de des­contração, tornando-se veículo de manifestação da sua pujança, preparando o campo para manifestações mais profundas e responsáveis.

Como é verdade que o instinto reprodutor realiza o seu mister automaticamente, quando, no entanto, o amor intervém, a sensação se ergue ao grau de emoção duradoura com todos os componentes fisiológicos, sem a selvageria da posse, do abandono e da exaustão.

A harmonia e a satisfação de ambos os parceiros constituem o equilíbrio do sentimento que se espraia e produz plenitude.

A libido, sob os seus impulsos, como força criado­ra, não produz tormento, não exige satisfação imedia­ta, irradiando-se, também, como vibração envolvente, imaterial, profundamente psíquica e emocional.

Quando o sexo se impõe sem o amor, a sua passa­gem é rápida, frustrante, insaciável...

Por outro lado, os mitólogos definem Eros, na con­ceituação antiga do Olimpo grego, como sendo a di­vindade que representa o Amor, particularmente o de natureza física.

Eros teria nascido do caos primitivo, portanto, es­pontaneamente, como manifestação da vida afetiva. A partir do século 6º antes de Cristo passou a ser representativo da Paixão, e teria tido uma origem diferente, uma gênese mais poética, comparecendo como filho de Hermes e Afrodite, ou como descendente de Cronos e Gê, ou de Zéfiro e Íris, ou ainda, de Afrodite e Marte... Foi objeto de culto particular e especial em Téspias, Esparta, Sa­mos, Atenas, merecendo esse culto ser associado ao que se dispensava a Afrodite, Cantes, Dionísio e Hércules. Por extensão, passou a representar o desejo sexual, a função meramente decorrente do gozo sensualista, dos prazeres e satisfações sexuais.

Posteniormente, os romanos identificaram-no como Cupido, filho de Vênus, inicialmente representado como um adolescente, enquanto na Grécia possuía a aparência de uma criança algo maliciosa, que se fazia conhecer com ou sem asas, arco e flecha nas mãos. Foi tido como o mais poderoso dos deuses durante muito tempo.

O importante, porém, é que, em nosso conceito pessoal, o amor transcende os desejos sexuais, enquanto Eros, que pode ser portador de sentimento afetivo, ca­racteriza-se pelos condimentos da libido, sempre dire­cionada para os prazeres e satisfações imediatas da uti­lização do sexo.

O amor é permanente, enquanto Eros é transitó­rio. O primeiro felicita, proporcionando alegrias duradouras; o segundo agrada e desaparece voraz, como chama crepitante que arde e gasta o combustível, logo se convertendo em cinzas que se esfriam...

Eros toma conta dos sentidos e responde pelas paixões desenfreadas, pelos conflitos da insatisfação, que levam ao crime, ao desar, ao desespero. Tendo, por objetivo imediato e inadiável, o atendimento dos desejos mentais do desequilíbrio sexual, é responsá­vel pela alucinação que predomina nos grupos soci­ais em desalinho.

Assomando em catadupas de posse encegueci­da, não confia, envenena-se pelo ciúme, transtorna-se pela insegurança, fere e magoa, derrapando em patologias sexuais devastadoras e perversões alu­cinantes.

O amor dulcifica e acalma, espera e confia. É enriquecedor, e, embora se expresse em desejos ar­dentes que se extasiam na união sexual, não conso­me aqueles que se lhe entregam ao abrasamento, porque se enternece e vitaliza, contribuindo para a perfeita união.

O amor utiliza-se de Eros, sem que se lhe submeta, enquanto esse raramente se unge do sentimento de pu­reza e serenidade que caracterizam o primeiro.

Os atuais são dias de libido desenfreada, de pai­xão avassaladora, de predominância dos desejos que desgovernam as mentes e aturdem os sentimentos sob o comando de Eros.

Não obstante, o amor está sendo convidado a subs­tituir a ilusão que o sexo automatista produz, acalman­do as ansiedades enquanto alça os seres humanos ao planalto das aspirações mais libertadoras.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   19

similar:

Ditado pelo espírito joanna de ãngelis iconEl pelo corto en los conejos se debe a un gen dominante "L" y el...

Ditado pelo espírito joanna de ãngelis iconAl cruzar un conejillo de indias de pelo rizado con otro de pelo...

Ditado pelo espírito joanna de ãngelis iconUna mujer tiene el pelo rizado y su marido tiene el pelo liso. Cuando...

Ditado pelo espírito joanna de ãngelis icon1º) El gen r que rige el pelo rizado domina sobre el gen recesivo...

Ditado pelo espírito joanna de ãngelis iconUn cobaya de pelo blanco, cuyos padres son de pelo negro, se cruza...

Ditado pelo espírito joanna de ãngelis iconAndré Luiz (Espírito) Obra psicografada por Francisco Cândido Xavier

Ditado pelo espírito joanna de ãngelis iconSol: todos descendientes serán Pp y con el pelo en pico

Ditado pelo espírito joanna de ãngelis iconSeminario med leg criminalistica 5: el estudio del pelo

Ditado pelo espírito joanna de ãngelis iconAlopecia  Pérdida de densidad o ausencia de pelo en cualquier parte...

Ditado pelo espírito joanna de ãngelis iconEnfs prod X penetración en capa cornea de la piel, fanéreos (pelo,...




Todos los derechos reservados. Copyright © 2019
contactos
b.se-todo.com